segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Sindicato dos Vigilantes do Município do RJ e NCST, estiveram em audiência com o superintendente regional do trabalho...

O Sindicato dos Vigilantes do Município do RJ representado pelo seu presidente Fernando Bandeira, seu vice, Antonio Carlos e o representante da NCSR/RJ Sergio Luiz, estiveram em audiência com o superintendente regional do trabalho, Carlos Eduardo Petra, para solucionar questões referentes à categoria tais como o pagamento da insalubridade para quem trabalha em hospitais, maior fiscalização nos shoppings que contratam vigias e porteiros no lugar de vigilantes, na intenção de pagar menos retirando direitos. 
Antonio Carlos, vice presidente do SINDVIG RIO alertou a superintendência que no evento Rio +20, foi um show de irregularidades. “Esperamos que a fiscalização realmente atue contra as empresas que desrespeitam a forma de contratação, pagamentos, adicionais, entre outros.
               
Outra discussão foi a contratação de serviços terceirizados pela administração pública, através de licitação na modalidade pregão eletrônio ou presencial, pelo menor preço. Essa forma de contratação tem significado um grande problema para os trabalhadores, porque em geral as empresas vencedoras jogam o preço baixo para ganhar o serviço e depois ficam impossibilitadas de pagar corretamente os trabalhadores. Por isso, prolifera na administração pública empresas terceirizadas que fecham as portas e dão o calote. Um dos exemplos citados na reunião foi a empresa Servo, que presta serviço para o Ministério do Trabalho e não paga corretamente os vigilantes.  Pela proposta do Sindicato, o Ministério do Trabalho deveria propor alteração nas leis 8666/93 e 10520/02 para que a contratação de serviços para a administração pública fosse realizada através de outra modalidade de licitação, que permitisse avaliar melhor as empresas concorrentes, em especial com itens que exijam e comprovem a idoneidade e principalmente, que empresa tenha capital social que garanta dinheiro em caixa para pagar todos os direitos trabalhistas, e mais, a comprovação da origem do capital dos sócios, para evitar que laranjas sejam utilizados para montarem empresas e depois sumam com o término do contrato. 

Fonte: Sindvig RIO

Um comentário:

  1. Queremos que o sindicato seja mais eficaz na cobranças em prol da classe dos vigilantes estamos, que o nosso Presidente Fernando Bandeira cobre os donos de vigilância os 100% que o TST deu por causa ganha nos feriados e domingos.

    ResponderExcluir